Aprendizagem mediada por games – Parte I

Enquanto esse blog serve de diário (semanário talvez…) para as coisas que vou escrevendo e lendo durante o mestrado, vou postando minhas observações e experiências por aqui. Tudo bem, não são textos científicos, mas é comunicar o assunto pra vocês! (aproveito e bato um papo, já que, ficar lendo sozinho aqui é muito chato…)

Pensei em transformar em séries um dos assuntos da minha pesquisa, a aprendizagem mediada por games. Imaginei trabalhar a mediação por computadores, mas é muito pano pra manga… Quando eu souber fazer agasalhos, quem sabe?!

De início estou lendo alguns textos de/sobre mediação de Vigotski, Inteligência artificial e cibercultura. As coisas ainda estão meio bagunçadas na cabeça, mas aos poucos as conexões vão ficando mais claras. Inicialmente quero só compartilhar as coisas que tenho pensado, mais tarde confirmo se é realmente isso…

Uma coisa é boa! Consigo afirmar que os games são aparatos que ensinam e desenvolvem a aprendizagem, já que dependem da ação do interator para acontecer, portanto, se não há interação o game não existe. É meio óbvio, mas vai servir lá na frente!

Outra coisa que gostaria de compartilhar é a utilização dos mediadores virtuais inteligentes(MVI) nos games para que ocorra a aprendizagem. A função dos MVI’s é direcionar o jogador durante o game, é ele que apresenta o conteúdo e em alguns casos constrói os níveis de dificuldade conforme o desempenho de quem joga. A importância deles dentro de um game é de garantir que haja andamento na narrativa do jogo, apresentando desafios e maneiras de solução dos problemas enfrentados na trama.

Inicialmente pensei nos MVI’s como os NPC’s (Non-player character) mas jogando um pouco mais e vendo alguns vídeos eles (os MVI’s) aparecem em forma de mensagens, ações no jogo e também como NPC’s.

Separei alguns vídeos para ilustrar como eles funcionam.

Fable, da LionHeart – Interação com NPC (mentor):

World of Warcraft, da Blizzard – Gameplay e como jogar. O vídeo tem um narrador, mas vejam quando o jogo começa, na interface a todo instante aparecem mensagens ou interação de NPC’s orientando o jogador nos passos iniciais:

The Sims 3, da Eletronic Arts – Não considero The Sims jogo, mas categorias fica pra um outro post. Nesse gameplay o personagem direciona o jogador para interação e tomada de decisão com os balões de pensamento, mas também há mediação por mensagens na interface e NPC’s (mais uma vez…)

Age of Empaire 3, da Ensemble Studio – É um tutorial que normalmente é apresentado na maioria dos games, o jogo acontece com um narrador que vai direcionando e dizendo o que o jogador deve fazer. Reparem n

a interface do jogo durante o vídeo, a quantidade de informação que o narrador passa ao player:

 

Estou trabalhando também em um infográfico que pretendo terminar até dia 16, quando vou apresentar a ideia inicial do artigo, ai atualizo o post, ou já começo a parte II!

Um abraço! inté!

😉

 

Parabéns ao Kinect!

Tenho que confessar que há um ano não imaginava que o projeto vingaria… Sabe como é, a Microsoft tinha alguns projetos que eu já não colocava a mão no fogo, sou fã da Nintendo e quem mandava no mercado de games era a Sony. Agora parece que o xBox se posicionou de vez, ainda mais no Brasil, já que foi oficializado (não faz muito tempo) o produto aqui, isso ajuda a baratiar o preço do console. (NÃO SE ESQUEÇAM DOS JOGOS!!!)

Bom, voltando a falar de Kinect… A tecnologia de reconhecimento corporal e por voz da Microsoft fez um aninho e trouxe bons resultados! Queria muito falar só sobre jogos, já que o Wii trouxe uma nova maneira de jogar o Kinect revolucionou ainda mais a experiência do interator. Pra quem ainda não se ligou, é coisa de filme de ficção científica!

Minority Report - A Nova Lei
Minority Report - A Nova Lei

Quando esse aparelhinho foi lançado a Microsoft não imaginou a proporção do uso, que vai além dos games.

Pra quem não conhece o Kinect é um sensor que é capaz de identificar os movimentos do corpo e a voz das pessoas, é utilizado no console oficial da Microsoft, o xBox360 nos games que não necessitam de joysticks para serem jogados. A promessa da Microsoft é que o Windows8 poderá ser controlado com esse sensor, criando uma interface controlada por gestos, como no filme Minority Report. (só que, sem as luvinhas de luz…)

A utilização do aparelho não para por ai, várias pessoas fizeram hacks e utilizaram para os mais variados fins, dos games à sala de aula passando pela medicina o Kinect conseguiu reunir fãs (mais um contando comigo…) e recebeu uma bela homenagem no site da Microsoft com um vídeo bacanão mostrando os vários campos de utilização do Kinect! Presentão de aniversário! Pra nós! 😉

Segue o vídeo:

Fontes:
http://blogs.estadao.com.br/link/um-ano-de-efeito-kinect/
http://www.xbox.com/en-US/Kinect/Kinect-Effect/